Entenda o problema que precisa ser resolvido

Eu nunca acho. É um hábito chocante – destrutivo para a faculdade lógica.

O signo dos quatro (1980)

O que mais anima ou te interessa: perguntas ou respostas?

É certo que nos esforçamos por respostas na maioria das esferas da vida e, certamente, como pesquisadores de UX, devemos ser capazes de descobrir coisas. Mas, realmente, não é contestado: as perguntas são inerentemente mais interessantes para os pesquisadores do que as respostas.

As perguntas estão cheias de mistério e possibilidades e podem levar seu pensamento a direções novas e inesperadas. As respostas têm o hábito de parar tudo, ao invés de descobrir como um truque de mágica incrível realmente funciona extingue o interesse pelo assunto.

As respostas são importantes, mas um bom pesquisador já está se perguntando qual é a próxima pergunta.

No mundo do desenvolvimento de produtos, o inverso costuma ser verdadeiro, pois um prêmio é colocado em respostas e soluções. De fato, no mundo corporativo, “soluções” se tornou uma palavra da moda tão usada que praticamente perdeu todo o significado. As soluções nunca devem ser o ponto de partida para uma investigação.

O custo de focar muito cedo em soluções de produtos, como fazem muitas equipes de desenvolvimento, é que você rapidamente perde de vista o problema que está tentando resolver.

Sherlock Holmes argumentou: “É um erro capital teorizar antes de se ter dados. Insensivelmente, começa-se a torcer os fatos para se adequar às teorias, em vez de teorias para se adequar aos fatos ”

Todo pesquisador sempre inicia focando em um problema. O problema às vezes chega na forma de um e-mail, às vezes como uma conversa, mas na maioria das vezes se anuncia batendo na sua porta.

Um pesquisa nunca se baseia em suposições. Para um pesquisador, cada novo caso era único e o que importava eram fatos confiáveis ​​e verificáveis ​​sobre o caso. Isso dá à investigação um foco e uma direção iniciais.

Aqui estão algumas coisas que podemos aprender com a abordagem de um investigador que podem ajudar o pensamento de pesquisa de UX:

Dicas

  • Concentre-se no problema, não na solução.
  • Crie uma pergunta de pesquisa explícita (na verdade, escreva-a com um ponto de interrogação no final).
  • Não comece a fazer pesquisas até que você tenha uma pergunta.
  • Não presuma que a pergunta nunca foi feita antes.
  • Descubra o que seus colegas e sua empresa já sabem.
  • Faça uma pesquisa de arquivo – comece lendo todos os relatórios de pesquisa anteriores.
  • Entrevistar membros da equipe e partes interessadas.
  • Use uma lista de verificação para coletar informações básicas de maneira sistemática.
  • Não deixe nada para adivinhação.
Leandro de Andrade.
Todos os direitos reservados.